sexta-feira, 25 de julho de 2014

QUERIA A PRIMA DELE, MAIS COMI FOI ELE

TENHO 23 ANOS, 1,80M, 75KG, MORENO, ESTAVA DE FÉRIAS EM RECIFE NUMA FESTA DE RUA MUITO LEGAL QUE 
ACONTECE NO CENTRO DA CIDADE. TINHA SAÍDO COM UMA TURMA DE AMIGOS E AMIGAS E LÁ PRAS 3 DA MANHÃ
MEIO CHAPADO, POR ALGUMAS LATINHAS DE CERVEJA, ME PERCO DA TURMA COM QUEM ESTAVA, QUANDO COMEÇO A
CIRCULAR PRA VER SE ENCONTRO ALGUÉM CONHECIDO, ENCONTRO UM COLEGA DE ESCOLA QUE NÃO O VIA A TEMPO, 
SEU NOME ERA FABIO.
ELE ESTAVA COM UMA TURMA, TINHA UMA PRIMA QUE ME CHAMOU LOGO A ATENÇÃO, UMA LOIRAÇA SUPER GOSTOSA
QUE LOGO ME INTERESSEI. COMECEI A INVESTIR NA LOURA SEM SUCESSO, QUANDO A TURMA DELE RESOLVEU IR EMBORA
E ME CHAMARAM PARA DORMIR NA CASA DE UM CUNHADO DELE. COMO NÃO TINHA MUITA ALTERNATIVA, ACEITEI
NA HORA, POIS AINDA TINHA ESPERANÇA DE FICAR COM A LOURAÇA. CHEGAMOS NA CASA, COMEMOS QUALQUER COISA
E O CUNHADO DELE FOI DORMIR COM A IRMÃ NO QUARTO, A PRIMA NÃO DANDO CHANCE SE TRANCOU EM OUTRO QUARTO
E DEIXARAM OUTRO QUARTO PARA EU DORMIR COM O FABIO. ELE PEGOU MAIS UMA GARRAFA DE VINHO E BEBEMOS, EU
ESTAVA MORRENDO DE SONO E MUITO BÊBADO FALEI QUE IRIA DORMIR. PRONTAMENTE FABIO FORROU O CHÃO COM DUAS
COLCHAS GROSSAS DANDO A IMPRESSÃO QUE IRIAMOS DORMIR JUNTOS, NÃO HESITEI E CAI NO CHÃO CHEIO DE SONO,
ELE DESLIGOU A LUZ E TAMBÉM SE DEITOU SO DE CUECA, PASSARAM-SE UNS CINCO MINUTOS, ESTAVA QUASE DORMINDO E
PARA MINHA SURPRESA, ACORDEI COM O FABIO PASSANDO A MÃO EM MEU PAU POR CIMA DA CALÇA, FIQUEI IMÓVEL, MEIO
QUE ASSUSTADO, MAIS ESTAVA GOSTANDO E NEM ME MEXIA. FÁBIO NÃO ESTAVA SE CONTENTANDO EM SÓ ALISAR E TENTOU 
TIRAR MEU PAU PRA FORA DA CALÇA QUANDO FIZ-ME PERCEBER QUE ESTAVA ACORDADO, FALEI QUE AQUILO NÃO ERA A
MINHA PRAIA, MAIS COMO MEU PAU FICOU DURO PELAS SUAS APALPADAS, PENSEI: JÁ QUE NÃO COMI A PRIMA DELE 
VOU COMER ESSE VIADO AGORA, LIBEREI O CACETE PRA ELE QUE COMEÇOU A CHUPAR COM MAESTRIA, MODÉSTIA PARTE 
ELE CHUPA BEM MELHOR QUE VÁRIAS GAROTAS POR AI. TIREI A CALÇA E FIQUE COMPLETAMENTE NU ESFREGANDO O PAU 
EM SUA CARA, DEPOIS NÃO ME CONTENDO DE TESÃO, MANDEI ELE FICAR DE QUATRO, E COMECEI A DEDILHAR SEU CUZINHO
BEM APERTADO, POIS ERA DIFÍCIL ATÉ DE ENFIAR UM DEDO, ELE CHEIO DE TESÃO DOIDO PRA SER ENRRABADO PELO MEU
CARALHO. ELE SALIVOU A MÃO E COMEÇOU A PASSAR EM SEU CUZINHO PARA LUBRIFICAR MELHOR, NÃO AGUENTANDO MAIS 
DE TESÃO PUS UMA CAMISINHA E COMECEI A FORÇAR NAQUELE CU BEM APERTADINHO, MEU PAU FOI ENTRANDO AOS POUCOS ELE QUERIA
GEMER, MAIS TINHA MEDO DE ACORDAR ALGUÉM, ESTAVA COM TANTO TESÃO QUE QUANDO ELE COMEÇOU A PISCAR AQUELE CUZINHO 
NÃO AGUENTEI E GOZEI COMO UM LOUCO, ELE NÃO SE CONFORMOU TIROU MINHA CAMISINHA E COMEÇOU A CHUPAR MEU PAU 
NOVAMENTE, SUGANDO AS ÚLTIMAS GOTAS DE PORRA, EU ESTAVA MEIO EMBRIAGADO E NÃO TINHA MUITA NOÇÃO DO QUE ESTAVA
ACONTECENDO TENTEI ME DEITAR, MAIS O FABIO CONTINUAVA ME CHUPANDO, ATE MEU PAU FICAR DURO NOVAMENTE QUANDO 
APOS UMA GOSTOSA PUNHETA, GOZEI EM SUA BOCA ONDE O FILHO DA PUTA SUGOU ATÉ A ÚLTIMA GOTA. DEPOIS DISSO
FOMOS DORMIR. QUANDO ACORDAMOS ESTAVA CHEIO DE VERGONHA COM QUE TINHA ACONTECIDO, A LOURAÇA QUE EU QUERIA 
TRAÇAR PERGUNTOU ESTRANHAMENTE SE EU TINHA DORMIDO BEM, FIQUEI MEIO DESCONFIADO, COM SUA PERGUNTA, MAIS FALEI
QUE SIM, ELA RIU MALICIOSAMENTE, ACHO QUE TINHA SIDO TUDO UMA ARMAÇÃO. MAIS NINGUÉM TOCOU MAIS NO ASSUNTO 
DEPOIS VEIO O FABIO COMO SE NADA ESTIVESSE ACONTECIDO. ME DESPEDI E FUI EMBORA.


domingo, 13 de julho de 2014

Sexo no vestiário do trabalho...

O que vou contar aqui é real, aconteceu quanto trabalhava em uma rede de supermercados na zona sul do Rio de Janeiro há alguns anos...Era meu 2º trabalho de carteira assinada, tinha 23 anos na época e estava muito empolgado com a proposta. Comecei a trabalhar no dia seguinte da minha contratação. Fui designado para atuar no setor de hortifrúti da empresa, onde só tinham homens trabalhando... Era uma equipe de 18 homens, entre 18 e 25 anos.A empresa tinha normas rígidas, todos tinham que usar uniformes, almoçar no refeitório da loja, apresentar-se para revista ao sair do local de trabalho. Por esse motivo havia 2 grandes vestiários (um masculino e outro feminino), com vários chuveiros e bancadas (como esses que vemos em filmes de futebol norte-americanos). Era uma algazarra a hora da troca de turnos, como mulheres e homens se alfinetando de flertando antes de entrarem para seus vestiários para se trocarem e irem embora... O volume de relacionamentos, sexo e outras coisas que existia na empresa entre seus funcionários eram grandes.Já estava enturmado com o grupo do meu setor, sempre fui assumido, e os garanhões da equipe toda hora achavam uma maneira de me sararem, passar a mão na minha bunda e fazer piadinhas sobre o que seus grandes membros fariam no meu rabo. Isso me deixava muito excitado... Não havia nenhum tipo de situação pejorativa, eles realmente se excitavam muito comigo e apostavam entre si quem seria o primeiro a me enrabar (isso fiquei sabendo algum tempo de pois).Existia um setor na loja que contratava jovens aprendizes, entre 16 e 21 anos de idade. Estavam selecionando novos aprendizes que ficariam assessorando a frente de caixa e os demais setores da loja, abastecendo e recolhendo mercadorias que os clientes levavam ao caixa e desistiam de comprar. Foi nesse período que conheci 3 carinhas super gostosos e muito sacanas que me faziam delirar quando transavamos. Vou contar pra vocês como começou essa putaria...Certo dia entramos no vestiário para tomarmos banho e trocarmos de roupas para irmos embora... Ficava muito acanhado de tirar a roupa na frente de todos aqueles homens, sempre ficavam na expectativa de verem minha bunda e até tinham uns que ficavam bem perto de mim mexendo nos seus paus e dizendo: Não vai tirar essa calça não “novata”? Ficava com vergonha e dizia que estava procurando alguma coisa desconversando.Todos estavam nos chuveiros com aquelas bundas másculas viradas pra mim, era muito excitante, ficava de pau duro sempre vendo essa cena... Cada um com piroca maiores que as outras... Me sentava no banco do vestiário enrolado em minha toalha aguardando todos saírem para tomar meu banho... Nesse dia demoram muito para acabar, mas enfim saíram e deixaram o vestiário todo só pra mim. Fui fechar a porta para não ser incomodado e para minha surpresa esbarrei com o Adalberto, um carinha franzino, nos seus 18 anos de idade, com um rosto lindo e um olha malicioso que me deixava com muito tesão. Ele já estava sem blusa e com sua toalha pendurada no ombro. Quando me viu ainda no vestiário deu um sorrisinho malicioso e perguntou: Tava me esperado putinha? Respondi sem pensar: Estava por quê? Ele deu uma gargalhada e entrou no vestiário. Fechei a porta e me dirigi para o chuveiro o deixando no meio do salão tirando o restante da roupa.Entrei no box ficando de costas para Adalberto, ele nem me olhava, na verdade me ignorava. Fiquei desapontado e continuei tomando meu banho. Virei para ver o que ele estava fazendo e me surpreendi quando ouvi o som do chuveiro ao lado do meu, ele estava no box ao lado e depois que nos falamos ao entrar no vestiário não trocamos mais nenhuma palavra um com o outro. Pensei: que pena estava muito a fim de chupar aquela pica hoje.Adalberto era franzino, mas tinha a maior piroca dentre os homens que trabalhavam naquela loja, era motivo de piadinhas entre os caras. Diziam que ele tinha 3 pernas, que era aleijado e que nenhuma mulher iria dar a buceta pra ele pra ficar arrombada como se tivesse parido um bebe. E realmente nunca vimos eles com nenhuma garota, na verdade ele ficava até muito tímido ao lado de uma.Continuei a me ensaboar quando virei e me deparo com Adalberto na minha frente segurando aquele membro enorme já duro como pedra e todo molhadinho. Ele olhava minha bunda como se estivesse olhando uma coisa que desejava muito. Olhei para ele e disse: O que você quer Adalberto? Ele perguntou: Vc trancou a porta do vestiário? Eu respondi: Vc sabe que sim, não gosto de ser incomodado quando estou tomando banho. Ele retrucou: Ainda bem, não quero ser incomodado também. E me puxou para perto dele mordendo meu mamilo e dizendo ao pé do meu ouvido: Fica de joelho e cai de boca na minha pica viado safado. Isso me deixou com mais tesão do que já estava, não pude resistir e fiz com meu macho me ordenou, ajoelhei e comecei a chupar aquela pica de 25 cm como se fosse um picolé de doce de leite.Adalberto estava em êxtase, virava os olhos e gemia baixinho forçando minha cabeça para abocanhar aquele caralho imenso. Consegui colocar na boca a metade, mas ele não se dava por satisfeito e dizia: Engole tudo sua puta safada, engole! Tentei mas não dava... Ele estava com muito tesão, parecia que não fodia a semanas. Me puxou pra cima e me deu um beijo chupando minha língua com um animal, mordeu meu peito e me deu um chupão no pescoço que ficou roxo, na hora nem liguei. Eu segurava aquele mastro com toda a força e ele dizia: Aperta essa piroca, safada. É assim que eu gosto. Ele me virou, pediu para empinar minha bunda e começou a fazer o melhor cunete que já recebi na minha vida... Mordia meu cú, enfiava o dedo e a língua ao mesmo tempo, lambia minha bunda e mordia minhas nádegas enquanto enfiava um, dois, três dedos no meu rabo. Começou a roçar aquela vara no meu rabo e a se debruçar sobre mim dizendo que iria me enrabar ali mesmo. Fiquei com medo, já tinha mantido relações com homens de mastros grandes, mas o do Adalberto era enorme, acho mesmo que nenhuma mulher queira dar pra ele. Foi então que a confirmação veio, quando ele no auge do seu tesão disse: Caralho! Tô querendo te fuder a muito tempo sua puta. Já não consigo dormir sem antes bater uma bronha pensando nesse rabo grade e gostoso. Não fodo mulher desde meus 16 anos elas não me aguentam e fico puto e acabam não saindo com nenhuma, só querem gastar minha grana e dá que é bom nada. Fiquei surpreso com a revelação dele e mais preocupado ainda com o que viria pela frente (aquele cara estava com muito tesão reprimido e iria me dividir ao meio com aquele mastro imenso). Ele percebeu meu receio e ao invés de me acalmar me deixou mais tenso ainda dizendo: É isso mesmo viadinho tu vai ter que me aguentar, tô guardando essa pica pra vc há muito tempo e agora vc não vai correr mesmo. Dá mais uma chupada vai! Dizendo isso ele empurrou minha cabeça pra baixo e me deixou de joelhos mais uma vez. Mas dessa vez socava a pica na minha boca sem dó nem piedade, eu engasgava e ficava sem conseguir respirar, chorava (as lágrimas saiam dos meus olhos continuamente). Isso o excitava muito e ele gemia de prazer. Ele me levantou e me virou de costas, segurou minha cintura fazendo minha bunda empinar e posicionou aquela cabeça de cogumelo vermelha na porta do meu rabo. Eu o segurei e coloque a mão o impedindo de enfiar aquele mastro na minha bunda. Adalberto se enfureceu, puxou meu cabelo me empresou contra a parede do box e disse: O que foi viado vai ficar de amarração agora, tu não queria pica? Agora vai ter que aguentar. Eu retruquei: Quero sim, mas assim vc vai me machucar... Cadê a camisinha? E ele respondeu com sangue nos olhos: Camisinha é o caralho, quero sentir esse cu quentinho no meu pau... Tu acha mermo que tem camisinha que entra nesse pau. Ele lambeu meu rosto como um bicho e segurando meu braço nas costas disse: Agora tira a mão desse cú e relaxa que não tem volta, tu vai me dar essa bunda gostoso e pode gritar que ninguém vai te ouvir mesmo.Fiquei impressionado com Adalberto, ele era tão magrinho, mas tinha uma força sobrenatural. Me fez ficar com mais tesão ainda... Empinei meu rabo e senti aquela cabeça enorme entrar no meu cu (o pau do cara além de grande era grosso pra caralho, cheio de veias e no formato de um foguete – cabeça mais fina e o corpo ira engrossando até chegar na base que não conseguir fechar minha mão). Ai ele disse: Pronto a cabecinha já entrou falta pouco agora! Ele foi forçando o resto do pau no meu cu e eu gemendo de dor e tesão ao mesmo tempo. Ele se debruçava sobre mim e dizia: Quer que pare sua puta safada? E eu respondia: Não enfia tudo, tá uma delicia! Isso o deixava louco ele empurrava a pica e eu gritava ele empurrava e eu gritava, até que conseguiu atolar tudo no meu cú. Ele parou e ficou olhando impressionado aquele mastro inteiro dentro de mim, sentia o seu saco bater no meus. Ai ele disse: Puta que pariu é a primeira vez que consigo meter meu pau todo em alguém, nunca mulher ou viado algum aguentou ele todo, nem a metade. Isso me deu uma sensação de realização e ele num misto de tesão e surpresa beijava minhas costas e dizia: Caralho quero comer esse cú todo dia agora, tu deixa? Eu concordava.Ele começou um vai e vem com toda a força, gostava de me ver sofrer... A dor era muita, mas o tesão também. Meu pau estava duro como pedra e babava de tesão. Sentia a pica do Adalberto bater na parede da minha barriga, era enorme. Ele parou e disse: Agora vou tirar tudo e meter de novo pra ver o estrago que fiz nesse rabo. E assim o fez. Tirou aquela piroca do meu cú que saiu cheia de sangue. Ele delirou de tesão quando viu e disse: Puta que pariu tu era virgem viado, tirei seu cabaço caralho!? E enfiou tudo de novo de uma vez só sem nem me avisar. Dei um pulo pra frente e ele me segurou com força dizendo: Não foge não bichinha, vai ter que me aguentar.Ficamos uns 20 minutos nesse vai e vem frenético, ele tirando e metendo o pau todo na minha bunda a toda hora e puxando meu cabelo me chamando de sua putinha gostosa e dizendo que iria me comer daquele jeito todo dia agora.  Não aguentei de tesão e gozei sem nem tocar punheta. Ele percebendo que tinha gozado anunciou... Caralho que tesão, gozou putinha? Agora é minha vez! Toma leite nesse cú sua safada toma! Senti uns 4 jatos fortes de porra dentro de mim... Ele tirou a pica do meu cú toda lambuzada de porra e com ainda um pouco de sangue e me virou de frente e disse agora chupa e deixa ela limpa porra! Assim o fiz, me ajoelhei e chupei aquele caralho todo, ainda estava saindo porra daquela cabeça que latejava como um coração e estava toda roxa. Que delicia!Ficamos assim por alguns minutos, eu de joelhos lambendo aquele mastro ainda duro olhando para ele e Adalberto me olhando e mordendo os lábios de tesão. Aquela piroca não amolecia... Ele me levantou ficou me encarando, me deu um beijo forte e disse: Agora vc é minha putinha, esse cú é todo meu e de mais ninguém. Vamos pra minha casa agora continuar a brincadeira, ainda quero comer esse rabo pelo menos mais uma vez. Concordei na hora, claro... Terminamos o banho nos vestimos e fomos para casa dele... Mas isso é outra história.


Encarando Dois Dotados

video

Seguidor Dotado







Seguidor Dotado








quarta-feira, 9 de julho de 2014

Minha Primeira Transa Gay

Olá, meu nome é Gustavo, sou de Florianópolis e tenho 26 anos.
Sempre tive relacionamentos héteros e há cerca de seis meses acabei um longo namoro com uma garota. Com o término desse relacionamento acabei me envolvendo com várias outras mulheres em festas e reuniões de amigos, mas nunca chegava a me apaixonar por completo a ponto de começar um relacionamento sério.
Eduardo, da mesma idade que eu, é um grande amigo, nossas famílias são amigas e nós sempre andamos juntos desde crianças. Nossa grande paixão é a pesca e o surf. A família do Dudu tem uma casa numa praia bem conhecida de Santa Catarina e a gente sempre ia pra lá com nossas famílias e nossas namoradas e muitas vezes só nós dois. A gente sempre passava o dia pescando e surfando, e algumas vezes a gente pegava uma pequena lancha que a família dele tinha e íamos pescar em mar aberto, numa distância maior da costa, e pelo menos uma vez por ano a gente fazia uma viagem pra alguma praia de fora do estado, para pescar e surfar. 
Numa madrugada de sexta, em casa sem companhia, resolvi ir para o notebook e ver alguns sites pornôs na internet. Entrei em alguns sites de fotos, vídeos, chats e por fim acabei parando num site exclusivo de vídeos daqueles que você acha de tudo.
Assisti alguns bons vídeos com lindas mulheres e quando procurava um outro vídeo na opção dos melhores vídeos do site, me aparece um vídeo, onde na foto prévia do vídeo mostrava dois homens, corpos malhados e definidos, um sem blusa e outro só de cueca. O desejo e a curiosidade de assistir esse vídeo foram maiores que a minha consciência, e quando me dei conta eu estava na cama assistindo ao vídeo, eu só de cueca sungão como o homem do vídeo, e pra minha surpresa, de pau tão duro que levantava o elástico da cueca. Meu pau pulsava como se eu fosse gozar a qualquer momento. Depois de assistir esse vídeo eu já estava com os melhores sites de conteúdo pornô gay abertos no meu navegador, e quando me dei conta, o dia já estava amanhecendo e tive uma das melhores gozadas que eu já tive batendo uma punheta. O tempo se passou e algumas vezes quando eu chegava bêbado em casa, acabava voltando a visitar esses sites, e no outro dia, tratava de esquecer tudo aquilo. 
Julho chegou e nossa viagem de surf e pesca que rolava todo ano nas férias chegou. Fomos para uma praia do Nordeste, região lotada de praias paradisíacas. Chegamos na cidade, alugamos um carro e fomos até uma conhecida praia turística de lá. A praia era incrível, as ondas estavam demais. Passamos o dia surfando, depois fomos para o hotel e combinamos de descansar um pouco, e depois, como era noite de lua cheia, fazer uma pesca noturna numa praia próxima a que estava o nosso hotel.
Meu primeiro grande susto dessa viagem foi quando o Dudu saiu do banho só de toalha, e foi se vestir na minha frente. Tirou a toalha da cintura, se enxugou, colocou a tolha no ombro e ficou batendo papo comigo, com aquele pau enorme balançando, enquanto procurava um short na mala. Tudo isso era totalmente normal pra gente, isso já tinha acontecido centenas de vezes, todas as vezes que tínhamos que nos trocar, fosse em qualquer canto, a gente sempre se trocava um na frente do outro, na total normalidade de dois amigos e eu nunca ficava reparando. Mas dessa vez foi diferente, meu coração acelerou e meu pau se mexia dentro do short, todo melado, começando a ficar duro. Fiquei sem saber o que fazer, disfarcei, dei uma ajeitada no meu pau, esperei até ele ficar normal e fui tomar banho. Tomei banho e diferente de sempre, dessa vez já saí do banho vestido, tava com um medo do caralho do meu pau seguir meus pensamentos e ficar durão de repente, na frente do Eduardo.
Nós dois temos o corpo no mesmo estilo, brancos, bronzeados da praia, cabelos nem longos e nem curtos, e abdômen e peitoral bem definidos e depilados, bem estilo surfista mesmo. O Eduardo tem uma bunda muito gostosa, toda mundo brinca com ele dizendo que ele tem uma bunda tão gostosa quanto de mulher, e o pau também é show, daqueles que mesmo mole faz um volume bem grande. Eu tenho um pau muito gostoso da cabeça bem rosada, retinho, bem grande e grosso.
Descansamos um pouco, comemos e fomos pra praia, 9 horas da noite, praia totalmente deserta.  A noite estava muito clara por causa da lua, mesmo assim ligamos os faróis do carro em direção ao mar e acendemos uma lanterna. Entramos no mar de short e ficamos lá algumas horas pescando. Depois de algum tempo o Eduardo vai até a praia, tira o short e fica só de sunga. Eu simplesmente não conseguia parar de olhar pro volume do pau dele naquela sunga, não conseguia parar de imaginar uma situação pra que ele tivesse que tirar aquela sunga naquele momento. Tirei meu short, joguei pro Dudu e fiquei só de sunga também. Queria achar alguma situação que eu pudesse propor pra gente ficar pelado. Eu já estava totalmente de pau duro e como a gente estava pescando no raso, a cada movimento da onda, minha sunga ficava coberta e depois ficava totalmente à mostra. Eu estava naquele medo e vontade de querer que ele visse que eu estava completamente excitado.
Sem saber o que fazer pra chamar atenção, comecei a conversar das nossas aventuras com mulheres e falar de sexo. 
Com pouco tempo de conversa aproveito a deixa e enquanto a gente caminhava pra areia eu digo que com essas conversas iria já ficar de pau duro, e ele diz: “Meu pau tá armado aqui já! Porra Guga, não conseguimos nenhuma gata hoje, tu imagina aí se aparece duas gurias, agora aqui na praia?” Eu respondo brincando: Duas gurias??? Pow Dudu, nessa situação que eu tou aqui eu não dispensava nem tu pelado, feio desse jeito, quanto mais duas gatas! Ele começou a rir, e na molecagem de sempre, tirou o pau da sunga e ficou balançando, dizendo ao risos: chupa essa porra então!
A vontade era de cair de boca! Mas levei na brincadeira também, tirei minha sunga, joguei na areia e disse que se ele chupasse o meu, eu chupava! Aí ficou nessa sacanagem, os dois pelados, de pau duro, um rindo da cara do outro, dizendo pra cair de boca.
Foi aí que eu me virei meio que propositalmente, pra guardar algum material no carro, e ele veio por trás brincando, pegou o pau dele e ficou esfregando na minha bunda como se estivesse me comendo. Eu empurrei ele rápido, fingi que tava puto, e disse que ele ia ter que chupar meu pau agora. Ele disse que não, aí derrubei ele na areia, me sentei no peito dele e botei o pau na cara dele. Ele morrendo de rir, disse que beleza, chupava, mas que eu tinha que chupar o dele depois também.
Sem responder nada, já coloquei meu pau na boca dele e ele pra minha surpresa, me chupou como se eu fosse a mulher que a gente queria que aparecesse na praia. Ele lambia toda a lateral do meu pau, babando ele todo! Passava um bom tempo lambendo meu saco que tava bem lisinho e colocava cada bola por vez na boca dele! Depois subia lambendo toda a parte debaixo do meu pau até chegar na cabeça, me deixando com mais tesão a cada lambida! Quando ele parou na cabeça do meu pau eu não acreditava naquilo, ele lambia toda cabeça do meu pau e  chupava o meu pau inteiro, tentando colocar todo dentro da boca, chupando sem parar com a maior cara de safado. Eu, sem me aguentar de tanto prazer, gozei muito, enchendo toda a boca e a cara dele de gala! Ele ficou puto de verdade, saiu correndo pro mar pra se lavar e disse que ia descontar. Então eu disse que já sabendo que ele ia descontar eu não ia nem chupar ele! É claro que ele não ia deixar passar e claro que eu também não ia insistir muito pra não chupar aquele pau que eu já tava babando de tesão pra chupar.
Foi sem dúvida o melhor boquete que já recebi na vida, nada melhor do que uma pessoa que também tem um pau, pra chupar da melhor forma possível outro pau. 
Quando enfim, depois de fazer charme dizendo que não ia chupar ele, eu ia cair de boca naquele pau que desde a hora do banho no hotel, eu desejava, o Eduardo vem com um papo dizendo que não precisava mais.
Eu fiquei muito puto, quase que me entregava dizendo que agora quem queria era eu, que eu tava babando pra ter aquele pau delicioso em mim. Mas eu continuei firme e disse: Valeeeeu Dudu, sabia que você não ia fazer uma sacanagem dessa comigo! Ele fez uma cara de safado e foi aí que percebi qual era a dele! Ele veio dizendo que como ele tinha sido o primeiro a chupar um pau, então que eu teria que ser o primeiro em fazer alguma coisa também, que eu teria que dar a bunda pra ele!
Nessa hora eu gelei, eu realmente nunca tinha pensado em fazer isso, mas do jeito que a gente já tava alí, não tinha mais pra onde correr, o tesão já era grande demais pra não seguir em frente, a cabeça de cima já não pensava mais, só a de baixo! Naquele momento o nosso medo era só de um fazer e o outro não fazer. Eu brinquei dizendo que se alguém tivesse que dar a bunda, tinha que ser ele, já que a bunda dele era bem mais gostosa, e ia ser como se eu tivesse comendo uma mulher. Então ele disse que depois ele dava a bunda pra mim também. Perguntei que garantia eu ia ter que ele ia me dar também, ele disse que a mesma garantia que ele teve que eu ia chupar ele depois de ter chupado o meu pau, nenhuma.
Pra mim nada fazia diferença, eu não queria garantia nenhuma, já estava disposto a dar pra ele, com volta ou não. Ele  me disse então que a garantia que eu tinha que ele ia cumprir a parte dele era a nossa amizade de mais de 20 anos. Era tudo o que eu precisava pra não ter mais desculpas pra fingir que não queria, e aceitar.
Me fiz de indeciso um pouco e aceitei, disse que podia fazer o que quisesse então, que era pra ele pensar que estava num filme pornô e aproveitar pra matar todos os desejos. 
Tava rolando uma atração muito forte entre a gente, eu pulei na boca dele, comecei a beijar aquela boca sem medo nenhum, era um beijo com tesão, que ele não deixava acabar, como se nós dois estivéssemos esperando por aquele beijo há anos, sem saber. Passei da boca pro pescoço e fui descendo até aquele peitoral musculoso de surfista, eu lambia os mamilos dele, ao mesmo tempo que eu apertava aquela bunda que não cabia nas mãos, e que bunda deliciosa! Ele batia uma punheta no meu pau com uma mão, e com a outra controlava minha cabeça direcionando minha língua no corpo dele por todo seu peito e abdômen.
De repente ele diz que como ia comer minha bunda, que ele ia provar primeiro com a boca! Eu não estava acreditando que ele ia lamber meu cú! E antes mesmo de eu falar qualquer coisa, ele deitou com o pau pra cima e pediu pra eu sentar no peito dele, virando a bunda pra cara dele, de forma que o pau dele ficou na minha cara.
Já com as mãos abrindo minha bunda ele diz: Enquanto eu curto essa tua bunda gostosa, paga logo o boquete que tu tá me devendo!
Caí de boca naquele pau gostoso, branquinho, grosso, tamanho perfeito! Comecei a chupar aquele pau como se fosse meu próprio pau, chupava como se eu só tivesse mais alguns segundos alí, e enquanto eu chupava aquela delícia, eu esfregava meu pau na barriga do Dudu como se estivesse comendo ele. O problema era que eu tava tão excitado com o Dudu curtindo minha bunda com a língua dele, que eu não conseguia me concentrar muito bem no boquete, o que foi bom, porque não queria de jeito nenhum que ele gozasse naquela hora. Que sensação foda era aquela?! Ele lambia toda minha bunda enquanto dava pequenas mordidas e ia abrindo minha bunda devagar e chegando cada vez mais perto do meu cu. Eu não podia acreditar que ele fosse fazer isso, foi então que ele abriu minha bunda e começou a lamber meu cu, com a língua cheia de saliva. A cada lambida eu achava que ia gozar, ele chupava meus ovos e passava pro cu de novo, lambia toda a beirinha do cu e depois caía de língua nele! Eu misturava o tesão que sentia enquanto ele lambia meu cu, com o tesão de imaginar quando eu tivesse chupando o cu dele, naquela bunda que me deixava alucinado de tão gostosa!
Saí de cima dele e pedi pra ele me comer. Eu nunca tinha chegado nem perto de dar a bunda, e todo mundo sempre fala que deve doer, e que num cúzinho virgem deve ser ainda pior. Mas essas foram as últimas coisas que se passaram na minha cabeça, eu só pensava em sexo, só queria ter aquela pica gostosa dentro de mim, e depois comer aquela bunda deliciosa!
Foi aí que ele me colocou de quatro e começou a enfiar aquela tora no meu rabo, ele forçava o pau dele pra dentro do meu cu e o pau dele voltava. Eu não pensava na dor, só fazia gemer e pedir pra ele me comer! Ele tava com muito tesão, a cabeça do pau dele tava enorme! Quando então ele forçou um pouco mais e enfiou toda a cabeça no meu cu, eu não sabia se gemia de dor ou de prazer! A dor era grande, mas tenho certeza que o prazer era maior, porque na mesma hora que eu segurava a perna dele como quem pede calma, eu gemia e pedia pra ele me comer pra valer! Ele também me acompanhava gemendo de prazer, como se estivesse gozando, e a cada pombada eu sentia mais tesão naquilo tudo.
Depois de algumas metidas, deitei ele e comecei e cavalgar naquele pau de costas pra ele! E de acordo que ia me acostumando com aquele pau gostoso dentro de mim, eu ia pegando mais ritmo, e quanto mais eu cavalgava, mais ele gemia e batia na minha bunda!
Ainda com o pau dele dentro de mim, me virei de frente pra ele e continuei cavalgando, enquanto eu subia e descia naquela rola ele tocava uma punheta pra mim, eu não estava mais me aguentando de tesão, me sentei no pau dele e mais uma vez enchi o corpo dele de porra, dessa vez no peito.
Ele me tirou de cima dele, me virou de lado, levantou uma perna minha contra seu peito, abraçando minha perna e continuou comendo meu cuzinho, cada vez com maior intensidade.
Eu sabia que ele estava perto de gozar, quando de repente ele tira o pau da minha bunda e goza no meu rosto todo! Sabia que ele tinha feito isso pra descontar a gozada que dei na cara dele antes! Ele olha pra mim com a maior cara de satisfeito, como se estivesse vingado, mas eu pra não ficar por baixo, peguei o pau dele todo melado de porra, e comecei a chupar, mostrando que estava adorando! Quanto mais eu chupava, mais porra saía, e fiquei chupando ele até deixar aquele pau limpinho, sem nenhuma gota de porra!
Arrumamos nossas coisas, entramos no carro e fomos para o hotel. Chegando lá fomos direto para o banheiro, tomamos um banho juntos com direito a beijos quentes e alguns boquetes e fomos pro quarto.
Lembrei o Eduardo que eu ainda tinha que comer aquele cuzinho gostoso dele, e ele confirmou com um olhar super safado. Só que nós estávamos cansados demais pra mais um rodada de sexo, depois de um dia inteiro de surf, pesca e pegação.
Deitei numa das camas de casal, ainda sem roupa, e pra minha surpresa, ou não, o Eduardo deitou na mesma cama que eu, e dormiu junto comigo.
No outro dia de manha, acordei primeiro que o Dudu, me levanto e olho pra cama, ele estava deitado, com aquela bunda enorme virada pra cima! Eu nunca desejei  tanto uma bunda de mulher como eu estava desejando aquela bunda! Era perfeita, muito grande, redondinha, simetria perfeita, branquinha, bem lisinha, sem nenhum pelo.
Eu já sabia a maneira perfeita de acordar ele! Posicionei minha cabeça entre as pernas dele, e sem usar as mãos, com bastante saliva, lambi aquela bunda deliciosa do saco até o começo das costas. Ele nem se mexeu! Com a língua e depois com as mãos fui abrindo devagar aquela bunda e lambendo deliciosamente aquele cuzinho rosa apertadinho. Enquanto eu lambia aquele cuzinho, ele ainda sem abrir os olhos, só fez empinar a bunda pra cima, como quem mostra que estava adorando, e de acordo com que eu ia lambendo e enfiando a língua naquele cuzinho, ele ia rebolando e gemendo bem gostoso.
Perguntei pra ele: Tá gostando é safado?!!
Ele falou: Beija mais Guga!! Tá bom demais!!! Continua!!
Continuei lambendo, colocando bastante saliva, fazendo movimentos circulares e passando toda a língua do começo ao fim daquela bunda. Ele só gemia, sem colocar nenhuma barreira. Ele estava desejando aquilo tanto quanto eu! E por lá eu fiquei por um bom tempo!
Fiz ele empinar a bunda ainda mais pra cima e devagar comecei a tentar meter meu pau naquele cu apertadinho! Comecei tentando enfiar só a cabeça do meu pau, mas ele gemia e me segurava. Aquele cuzinho nunca tinha visto um pau antes, eu fiquei parado e ele abria a bunda com as mãos e ia controlando a entrada do meu pau, mexendo aquela bunda gostosa pra frente e pra trás.
Quando ele veio com a bunda até conseguir entrar a cabeça, eu fiquei comendo aquela bunda enfiando só a cabeça de vagarzinho, enquanto aquele cuzinho ia se acostumando. Quando eu tentava enfiar toda minha rola, o Guga me segurava. Fui tirando e colocando meu pau naquele cu gostoso, e metendo cada vez mais, quando de repente aquela bunda já estava engolindo todo meu pau e na primeira estocada pra valer, o Guga se deitou na cama, gemendo cada vez mais de tesão!
Eu continuei comendo aquela bundinha colocando ele de quatro, de modo que enquanto eu comia aquela bunda, eu arranhava toda as costas do Dudu de tanto tesão! Depois de um bom tempo, deitei ele com o pau pra cima, abri as pernas dele e comecei a comer aquela bundinha e bater uma punheta ao mesmo tempo pra ele. Ele tava indo ao delírio, perguntei se ele estava gostando de dar esse rabo gostoso e ele só respondia: me come, me come!
Depois de muitas gemidas, parei de comer aquela delícia e comecei a chupar o pau dele, deixando ele totalmente duro! E enquanto chupava aquele pau, alternava umas lambidas no saco e naquela bunda que me enlouquecia de tesão!
Me deitei na cama e coloquei ele pra cavalgar no meu pau do mesmo jeito que eu cavalguei no pau dele! Ele de pau duro, começou a cavalgar em mim, sem frescura nenhuma ele pulava no meu pau e pegava cada vez mais ritmo, gemendo alto e quase me fazendo gozar. Ele começou a bater uma punheta e a cada pulo que ele dava, era batendo uma! Ele disse que ia gozar enquanto dava o cu, e quanto mais perto ele ficava de gozar, mais excitado eu ficava.
Depois de mais algumas boas gemidas, cavalgando na minha rola grossa, o Dudu começa a espalhar muita porra na gente! E no mesmo instante em que ele gozou, eu sem me aguentar de prazer, num impulso, gozava dentro daquele cuzinho apertado!!! E a cada subida e descida que ele dava no meu pau, agora mais lentamente por também estar gozando, eu espalhava mais porra naquele cuzinho, que nos melava todo!
Nós nos deitamos na cama, ele chupou todo meu pau melado de gala e lambeu a porra do meu corpo, e pra finalizar com chave de ouro aquele cuzinho rosa maravilhoso, eu lambi toda minha porra que tinha ficado por lá e demos um beijo de bom dia, com muito gosto de gala!
Passamos mais cinco dias nessa viajem, posso dizer que todos os dias foram de muito sexo e putaria! 
Mas no último dia tivemos uma conversa e decidimos que o que tinha acontecido alí, ia morrer por lá e que essa história nunca seria contada pra nenhum conhecido.
Combinamos de nunca rolar nada nem na nossa cidade e muito menos na casa de praia dele, quem sabe numa outra viajem, longe de todos os conhecidos.
Essa é minha história que aconteceu no mês de Julho de 2013, realmente aconteceu, e eu precisava compartilhar isso com algum desconhecido. Pode ser que muitos pensem que é uma história inventada, como pode ser que muitos acreditem que seja real, mas o que importa é que eu tenho certeza que essa história melou a cueca de todos que leram, e fizeram alguns bater uma punheta gostosa até gozar.