terça-feira, 27 de maio de 2014

Calor, videogame e sexo



Ele chegou em casa 16h30, trinta minutos atrasado do horário que combinamos. Não teria sentido tanto esta demora se não fosse pela minha excitação. Conheci João - 19 anos, aproximadamente 68kg e 1,75 - alguns meses antes em um evento da faculdade e desde então mantivemos contato constante pelo Facebook. Quase não acreditei quando aquele garoto finalmente aceitou meu convite para vir aqui em casa jogar videogame. Embora a razão tenha sido bastante inocente, sabia que aquele era um ótimo pretexto para fazer mais coisas, apesar de ainda não estar certo em relação a sexualidade dele. Seu rosto liso e sorriso simpático contrastavam com seu corpo definido e modos bastante masculinos: aquilo tudo apenas me deixava mais confuso em relação ao que esperar do encontro. João vestia camisa branca e bermuda de academia, realçando ainda mais a beleza de seu corpo, e assim que chegou nos cumprimentamos e fomos direto para o meu quarto, onde estava o jogo. Escolhemos Injustice, um game de luta, dada a nossa antipatia mútua por futebol. Assim, convidei-o para deitar na cama enquanto eu ficaria na cadeira que uso para o computador. Poucas partidas depois, fui favorecido pelo forte calor que estava no dia, e João perguntou se eu me importaria que ele tirasse a camisa, o que eu rapidamente permiti. Como ele estava deitado na cama e eu sentado em uma cadeira, minha posição me deixava a frente dele e, ao olhar para trás, me deparei com aquele corpo sem camisa. Por frequentar a academia, João tinha um corpo definido e uma barriga na qual podia se ver seus lindos gomos. Além disso, sua bermuda abria uma fresta que, ao ser olhada de frente, me permitia ver melhor as pernas dele, além de me revelar parte de sua cueca, uma boxer preta. Fiquei obviamente abalado – leia-se excitado - com aquela visão, de modo que perdi as três partidas seguintes, que fez com que João falasse: João: Nossa, foi só eu tirar a camisa que você se desconcentrou, parece que deu certo minha estratégia! Haha Com isso, eu ri meio que confirmando e disse: Lucas: Pois é! Será que se eu tirar a minha acontece a mesma coisa contigo? João: Não sei, por que você não tenta? Tal resposta me animou e, brincando, tirei minha camisa lentamente na frente de João, que ria da situação mas ao mesmo tempo não tirava os olhos do meu corpo. Como também frequento a academia, meu corpo é razoavelmente definido; tenho 21 anos, 1,70 e 65kg. Já sem camisa, posicionei minha cadeira do lado dele, ficando ainda mais próximo do garoto. Quatro partidas depois, parece que minha estratégia também funcionou, de modo que eu ganhei todas e disse: Lucas: Parece que deu certo! Haha João, agora com um sorriso meio malicioso no rosto, respondeu em um tom de brincadeira: João: Droga! Será que se eu tirar minha bermuda eu volto a ganhar? E eu prontamente respondi, fingindo também estar brincando: Lucas: Tira e a gente descobre! Com isso rimos e ficamos nos olhando, sem atitude. Percebendo que João não iria fazer nada, resolvi tomar uma iniciativa. Com a prerrogativa de querer esticar minhas pernas, pedi para me deitar ao lado dele na cama, o que ele aceitou sem problemas. Como minha cama é de solteiro, ficamos colados, e eu podia sentir o calor do corpo dele colado no meu, me fazendo enlouquecer. Contudo, isso não era o suficiente para que João ganhasse de mim, de modo que ele continuou perdendo as partidas seguintes e, em um momento de raiva por não estar conseguindo me vencer, afirmou: João: Porra, desisto! Vou ter que tirar minha bermuda mesmo! E, ainda deitado, tirou. Agora eu via de perto aquela boxer preta que só tinha enxergado por meio de uma fresta em sua bermuda. Ao tira-la, sua cueca também desceu um pouco e eu pude ver o começo de seus pelos pubianos. Mas a melhor visão de todas foi a do volume que preenchia sua cueca, com certeza ele também estava excitado com toda a situação. Após me recuperar daquelas dez segundos em que ele se descpia, e que na minha cabeça duraram horas, prontamente respondi: Lucas: Poxa, assim não vale, vou ter que tirar a minha também pra continuar ganhando! Diferentemente dele, eu me levantei para tirar a bermuda, ficando de costas pra ele, desci lentamente com ela para lhe fornecer uma visão de minha bunda, da qual eu me orgulhava por seu ótimo tamanho. Depois disso, me virei de frente pra ele e, arrumando meu pênis em minha cueca, disse: Lucas: E agora, quem será que se distrai mais? Ouvindo isso, João deu uma resposta a qual eu não esperava: João: Olha, parece que estamos iguais, mas acho que é o jogo agora que tá distraindo a gente de fazer o que queremos de verdade! Me surpreendi com a resposta daquele garoto. Por eu ser mais velho, achei que teria que tomar todas as iniciativas, mas sua resposta direta e seu tom de voz sexy me deixaram em êxtase. Fui novamente para cama e, ao invés de me deitar ao seu lado, fiquei em cima dele, deixando suas pernas entre meus joelhos. Nesse meio tempo, ficamos apenas em silêncio, nos olhando. João mordia seus lábios, me provocando ainda mais, então lentamente me sentei em seu colo, já podendo sentir o seu pênis duro na minha bunda. Me aproximei então do seu rosto e nos beijamos. A partir daquele momento, todo o cuidado e precaução que tomávamos devido ao desconhecimento da sexualidade do outro se encerraram e nos beijávamos ferozmente. Minhas mãos passavam por seus braços, enquanto João puxava meu cabelo e passava seus lábios pelo meu pescoço. Aproveitei o fato de ainda estar por cima dele para explorar todo o seu corpo com minha boca, fui então descendo lentamente, passando pelo seu peito, no qual me demorei por alguns segundos. Podia sentir a respiração ofegante do garoto, então continuei descendo até passar pela sua barriga. Parei um pouco e olhei para o rosto dele, que ainda estava de olhos fechados. João os abriu como que questionando o motivo por eu não ter seguido. Sorri maliciosamente e continuei. Coloquei minha boca em seu pau, ainda por cima da cueca, e voltei a olhar para seu rosto, provocando-o. Tirei então sua boxer e comecei a masturba-lo devagar, acariciando também o seu corpo. Aproximei então minha boca de seu pau e o beijei, começando a chupa-lo. Era ótimo ouvir os gemidos daquele menino enquanto eu percorria meus lábios por todo seu pênis. Após alguns minutos, João tomou controle da situação e passou a forçar seu pau em direção a minha boca, fazendo que quase todos aqueles 17cm entrassem dentro de mim. Como não queria gozar ainda, João segurou meus cabelos e me puxou para cima, voltando a me beijar. Com isso, projetei meu corpo de modo a deixar seu peito entre minhas pernas e meu pau frente ao seu rosto. João entendeu o que eu queria e tirou enfim a minha cueca, repetindo meus passos e beijando meu pênis antes de começar a chupa-lo. Junto a isso, começou a explorar minha bunda com sua mão, massageando meu ânus com seus dedos, até invadi-lo. Eu achava que minha excitação não poderia estar maior com aquele garoto me chupando e me penetrando. Como também não queria gozar ainda, fi-lo parar e levantei. Fui então até o meu armário e peguei o lubrificante e uma camisinha, a qual atirei para ele. Voltei para a posição que paramos. João já havia colocado a camisinha e voltou a me chupar. Pegou então o KY e passou nos seus dedos, me penetrando ainda melhor e me deixando com mais tesão, até o ponto que não aguentei mais. Olhei para ele e desci novamente pelo seu corpo, até chegar a posição que ficava em cima do seu colo. João passava então lubrificante em meu ânus, enquanto eu segurava o seu pênis. Decidi que era a hora de senti-lo totalmente dentro de mim, então posicionei o seu pau na direção do meu ânus e sentei lentamente. Estava tão excitado que quase não senti dor e, após alguns segundos, comecei a me movimentar. João ofegava enquanto eu gemia de prazer. Novamente, o garoto tomou controle da situação levantando um pouco meu corpo com seus braços e movimentando seu quadril em direção ao meu, em uma velocidade que me deixava louco. Para não gozarmos logo, mudamos de posição. Sem tirar seu pau dentro de mim e ainda sentado, estiquei minhas pernas em direção ao seu rosto e o puxei em minha direção, ficando com minhas pernas abertas e seu corpo entre elas. Eu estava totalmente entregue aos seus fortes movimentos. João puxou então minhas pernas e as colocou em cima de seus ombros, forçando ainda mais seu pau dentro de mim. Começou também a me masturbar, sem diminuir a intensidade do nosso sexo. Olhei para o seu rosto e seu sorriso malicioso enquanto me comia aumentava ainda mais o meu tesão. Toda aquela situação era suficiente para que, após algumas dezenas de segundo, começássemos a gozar quase que sincronicamente. Com João ainda dentro e em cima de mim, ficamos nos olhando durante alguns segundos. Nossas respirações ainda estavam ofegantes, até que aquele garotou deitou ao meu lado, descansado para uma nova partida.

Novinho GOSTOSO

video

Socando Gostoso

video

Gatos da Web









sexta-feira, 23 de maio de 2014

Foda no Banheiro

video

Ursos da Net

O cara da TV a cabo

Tenho 27 anos, moro em São Paulo com minha irmã mais velha e sempre tive vontade assinar o canal de sexo da tv à cabo, pois sou tarado em pornografia. Depois de muito pensar, resolvi ligar para a operadora aqui da região e contratar o canal. No dia marcado, estava sozinho em casa esperando o cara da operadora para à instalação. Era um dia muito quente e eu estava só de calção e camiseta. Lá pelas 10 da manhã a campainha tocou e fui atender. Era o rapaz que a operadora mandou para fazer a substituição do conversor e habilitar o sinal. Pedi para que entrasse e apesar de nunca ter me interessado por homens, fiquei admirado com o porte fisico do garoto que suspeitei não ter mais de 23 anos. Ele era um moreno de 1,80m, com corpo malhado, cabelos pretos e vestia uma calça jeans bem justa e camiseta da operadora. Levei-o até à sala para que pudesse fazer o seu trabalho e fiquei ali conversando amenidades. Enquanto trabalhava o rapaz me disse que se tivesse condições também assinaria este canal pois adorava filmes pornô. Em menos de 5 minutos o trabalho estava pronto e nós jà podiamos assistir à programação. Como haviamos falado à respeito do calor que fazia, perguntei se ele queria tomar alguma coisa e o rapaz pediu um copo de agua. Pedi para que sentasse e ficasse à vontade enquanto iria buscar na cozinha. Quando voltei o rapaz estava sentado no sofá com as pernas entreabertas, assistindo uma bela trepada na teve e nem se importava de estar com o pau visivelmente duro fazendo o maior volume por baixo da calça. Servi a agua e sentei-me no sofá da frente para assistir a trepada com ele. Ele bebeu tranquilamente sua agua enquanto comentava comigo que adorava as cenas de chupadas como aquela que estava passando na telinha. Disse que não conseguia se controlar pois adorava ver uma boquinha gostosa engolindo seu pau. Eu que também já estava com meu pau doendo de tão duro devido as cenas, comentei que no seu trabalho era comum entre uma instalação e outra, encontrar alguma mulher afim de uma trepadinha rápida ou encontrar empregadinhas safadas sozinhas em casa. Ele me respondeu que era mais comum encontrar garotinhos querendo dar do que mulher, mas que quando isso acontecia, não perdoava nenhum dos dois. E completou dizendo que até preferia os garotos pois muitas vezes chupavam um pau muito melhor que as mulheres. O papo tava esquentando e o rapaz parecia cada vez mais à vontade no sofá. Ficamos quase um minuto assistindo a tv em silêncio e coisas estranhas começaram à passar pela minha cabeça. Foi então que o rapaz quebrou o silêncio entre nós e disse que já fazia algum tempo que ele não encontrava alguém para dar uma chupada no seu pau e levatou-se falando que teria de ir embora pois ainda tinha mais instalações para fazer e estava com a impressão de que aquele seria o seu dia de sorte e que encontraria alguem para quebrar o seu jejum. Olhei bem para ele e disse meio sem pensar que talvez ele já tivesse encontrado esse alguem. Ouvindo isso, o rapaz ali na minha frente com aquele pau duro por baixo da calça falou: "Se você fosse esse alguem seria muito bom pois você até que é gostosinho e eu já estou de pau duro mesmo." E foi chegando mais perto de mim que ainda estava sentado no sofá. Meio tremulo, tomei coragem e acariciei seu pau por cima da calça admirado não só com o tamanho mas como estava duro também. Ele disse: "Isso viadinho gostoso, acho que você entendeu bem. Não acha melhor tirar-lo pra fora da calça ? Ele já está doendo preso aí dentro." Não pensei duas vezes, abri a sua calça e pude ver meio pau escapando para fora da cueca, com uma cabeça avermelhada toda melada com aquele liquido transparente. Ele acariciava meus cabelos e dizia: "Ele é bonito né? Pega nele e sente como está duro. É você que tá fazendo ele ficar duro assim." Realmente, depois que abaixei a sua cueca e pequei aquele pau nas mãos pude constatar a beleza daquele pau que devia ter uns vinte centimetros era grosso e reto, moreno com a cabeça avermelhada e estava duro como pedra, apontado para cima. Ensaiei uma punheta e ele disse que era melhor eu chupar logo, pois ele estava a muito tempo sem trepar e não queria gozar com punheta. Fiz o que ele mandou. Dei uma lambida na cabeça melada para conhecer o gosto e fiquei surpreso com o sabor meio adocicado. Enfei a cabeça na boca e começei chupar sem saber se estava fazendo a coisa certa. Logo descobri que estava, pois ele começou a gemer e dizer: "Eu sempre achei que homem chupa melhor que mulher, mas puta merda, que boca gostosa." E dizendo isso, empurrava o pau boca adentro quase me fazendo engasgar, não dava para engolir tudo aquilo, ele dizia: "Isso, massageia as minhas bolas" E eu massageava aquele saco grande e duro fazendo ele estremecer enquanto eu me deliciava com o melado gostoso que saia do seu pau. As vezes tirava o pau da boca e engolia uma das bolas, as duas não cabiam juntas. O cara tava adorando. Derepende sem falar nada ele segurou a minha cabeça e eu senti a minha boca enchendo com a sua porra que tinha um gosto diferente mas não menos gostoso. Com o susto, tirei o seu pau da boca e ainda senti uns dois jatos acertarem o meu rosto. Me recuperei rápido do susto e assim que entendi o que estava acontecendo voltei a lamber o seu pau, agora todo sujo com a sua porra enquando ele falava: "Nossa que coisa boa. Lambe ele. Tá gostando ?" e eu respondia com a boca meia cheia: "Ãhã". Ele logo se afastou e pediu para ir ao banheiro, me deixando na sala ainda de pau duro e muito confuso com o que estava acontecendo. Fiquei ali enquando ouvia o barulho da sua urina na agua do vaso. Ele voltou logo e sentou-se já sem roupas ao meu lado no sofá, pois a minha mão no seu pau meio duro, dizendo: "Foi a sua primeira vez, não foi ? Você ainda não gozou, deveria ter batido uma punheta enquanto me chupava. Você quer que eu te faça gozar sem nem encostar no seu pau?" Eu respondi afirmativamente com a cabeça e então ele mandou eu chupar o seu pau novamente. Eu não perdi tempo, fiquei ajoelhado no chão de frente para ele no sofá e começei a mamar naquele pauzão. Enquanto chupava ele brincava comigo tirando o pau da minha boca e batendo devagarinho com ele no meu rosto, falando: "Você tá gostando de mamar num pau, né? Chupa as bolas e bate uma punhetinha pra ele ficar bem duro." E disse para eu ir tirando a roupa enquando chupava e eu obedeci prontamente. Quando eu já estava pelado ele foi descendo do sofá e deitou-se no chão colocando-me encima dele. Nesta posição eu fiquei de quatro com a minha bunda escancarada bem na cara dele e o seu pau bem na frente do meu rosto. Ele disse: "Agora eu vou dar um trato no seu cuzinho pra ele ficar preparado pra inauguração" E começou lamber minhas pregas com vontade. Fiquei louco com aquela lingua tentando entrar no meu cuzinho e com aquele pau duro na boca. Mau conseguia chupa-lo de tesão. Ele começou a enfiar o dedo indicador e eu nem me preocupei com a dorzinha que aquilo estava provocando. Quando vi a dor já tinha sumido e eu podia sentir que havia mais de um dedo ali dentro. Apos de alguns minutos de labidas e dedadas ele disse: "O seu cuzinho já está pronto." E eu respondi: "O seu pau também." Corri no meu quarto para buscar uma camisinha, na volta passei no quarto da minha irmã e peguei um creme hidratante. Minhas pernas estavam tão bambas que mau podia andar. Ao voltar na sala ele estava sentado todo relaxado no sofa, sorrindo com aquele pauzão apontado pra cima. "Que viadinho esperto, foi buscar um creminho. Só por isso vou dexar você sentar no meu pau. Assim você controla a entrada dele." Disse enquando balança o pau. Novamente me ajoelhei na sua frente, dei mais uma chupada e coloquei a camisinha que quase não entrou naquele pau. Dei uma lambuzada de creme no pau e no meu cuzinho e fui subindo no sofá de joelhos de frente pra ele com as pernas abertas por fora das pernas dele. Estavamos quase deitados. Ele com um sorriso enorme no rosto abria fortemente a minha bunda e falava: "Que gostoso né? Tá dando uma de empregadinha safada ... Você tá pronto pra virar mulherzinha?" E esfregava a cabeça do pau no meu cuzinho. Eu não conseguia responder nada. Quando senti que a cabeça tava firme na entrada do meu cuzinho começei a forçar o corpo de encontro com ela e com isso, sentir uma dor bem menor do que estava esperando. Quando senti que a cabeça já tinha entrado e não estava doendo muito, empurrei o corpo para traz e senti quase toda aquela vara entrando na minha bunda. Foi maravilhoso. Dei uma descansada enquando ele continuava abrindo a minha bunda com as mãos e tentando olhar o pau entrando dizendo: "Que empregadinha safada mais gostosa... você tem um cuzinho delicioso, sabia? Tá aguentando quase o meu pau inteiro" E dava leves estocadas no meu cú. Eu podia sentir direitinho o seu pau dentro do rabo. Sem perceber, começei a rebolar, a subir e descer a bunda, sentia o seu pau entrando e saindo quanse inteiro do meu cuzinho, meu corpo estava tremendo e o meu pau todo melado roçava a barriga peluda daquele macho. Eu rebolava cada vez mais e ele já não conseguia dizer obcenidades, só gemia. Eu estava me sentido a mais feliz das putas. Pingando de suor encima dequele macho tesudo. As vezes descia a bunda dando uma rebolada e engolia o pau inteiro sentindo a cabeça batendo bem no fundo do meu cu. Ele nem se mexia. E eu não sentia dor nenhuma. Agora eu fico pensando e acho que deve ter sido uma cena maravilhosa. A minha bunda arrebitada com a cabeça do pau dentro do meu cú e o resto aparecendo e em seguida a minha bunda descendo e engolindo o pau inteiro. Quando senti que ia gozar disse à ele, que respondeu: "Eu não disse que você ia gozar sem encostar no pau? Goza agora que eu também vou gozar" Não deu nem tempo dele terminar esta frase e eu estava gozando no peito cabeludo dele. Em seguida pude sentir as suas estocadas mais fortes acompanhada de seus urros e resmungos de que aquilo é que era cú. Tirei o pau dele no meu cú e esparei passar o extase do gozo ainda por cima dele. Eu mal conseguia me mexer de tão mole e tremulo que meu corpo estava. Ele ainda tirou a camisinha e mandou eu limpar seu pau mole. O que fiz meio sem gostar, pois preferia ele duro. Em seguida ele foi para o banheiro se limpou e voltou vestido. Disse que hoje era realmente o seu dia de sorte e saiu sorridente pela porta da frente. Eu ainda demorei algum tempo até conseguir me levantar mas também acho que esse foi o meu dia de sorte. Nunca poderia imaginar que é tão gostoso dar a bunda. Estou prestes à me casar, adoro trepar com a minha noiva mas não pretendo ficar muito tempo sem dar a bunda. Se alguem quizer bater papo, Zeca, SP

Dando no exército

Olá, me chamo David e sou um americano naturalizado brasileiro, tenho 40 anos.Quando tinha 18 anos, eu servia ao exército americano, e depois de 3 anos, fui convocado, eu e mais 3 caras para ficarmos guarnecidos em uma casa abandonada, pois estávamos fazendo um treinamento. Ficaríamos nessa casa uns dois dias até recebermos ordens para "atacar". Até que enfim chegou o dia e fomos os três para a tal casa, o nome de um cara era Michael e o do outro cara Michel.Chegamos na casa e vimos que ela tinha chuveiro com uma banheira grande e uma televisão.O chuveiro tinha pouca água, e se quisermos tomar banho,teríamos de tomar juntos, e como estava muito calor, não havia outra saída. tiramos o uniforme do exército e os três entramos no banheiro, entramos na banheira, ligamos o chuveiro e sentamos na banheira. Percebi que o Michael não tirava os olhos do meu caralho,que tem 20X6cm. Não sabia o que fazer diante daquilo, e depois para completar, o Michel também estava admirado com o meu caralho. Os dois eram bem gostosos, e sabia que estavam afim de mim. Me distraí por um instante e Michel rapidamente agarrou o meu pau, e disse que não acabaria este treinamento sem transar comigo. Michael concordou e enquanto Michel chupava o meu pau, Michael me beijava e chupava meus mamilos. Eu gemia como um cachorro. Depois de 10 minutos eu gozei e os dois também. Disse para eles que agora seria a hora de eu trabalhar. Então coloquei o Michael de quatro e comecei a lamber seu cuzinho. Depois comecei a penetrar no cuzinho dele dando fortes estocadas enquanto Michel chupava o pau de Michael. Michael gritava e gemia como uma cadela no cio e dizia " fuck me, fuck me". Depois de mais ou menos vinte minutos nós gozamos e a água acabou. Tivemos que limparmos uns aos outros como gatos. Eu lambia o cú do Michael ele lambia a boca de Michel. Depois fomos dormir pelados, no outro dia transamos de novo e depois fomos embora daquela grande casa abandonada. Depois disso transamos os três mais umas 5 vezes. Como meus companheiros ficaram nos Estados Unidos, quero arranjar mais 2 brasileiros. Até mais!

Gozando Dentro

video

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Ursos da Web






PRIMEIRA VEZ COM O TIOZAO

Meu nome bruno, tenho 20 anos, moreno, 1,70 de altura, tipo fisico normal. Sou 'hetero' e sempre gostei de meninas, a minha imaginacao sempre foi comendo uma mina, mas desde mais ou menos os meus 16 anos eu olhava para o meu tio de uma forma diferente, ele era o unico homem que eu olhava e me dava tesao, algo que eu achava estranho e nao gostava porque pensava que era coisa de gay, entao reprendia. Nao sei se é porque ele é forte, alto, tem o peitoral defindo, barriguinha tanquinho, coxas grossas, bunda grande, ombros largos, braços muito fortes.... isso me deixava muito excitado. Com o tempo quando assistia filme porno eu ja me imaginava sendo fudido pr aqueles caras fortes do filme, entao com tempo comecei a me masturbar enfiando objetos no meu cuzinho e vi como era bom gozar com algo no cu. E logico sempre pensando no meu tio, so tinha tezao em dar se fosse pra ele, ate mesmo porque nao queria ser gay. Num certo dia, no aniversario da minha tia, na casa dela inclusive, que era bem grande varios quartos.... tava toda a familia reunida. E o meu tio lá bebendo no meio do pessoal e eu so olhando, nessa época eu ja tava com 18 anos. Ele bebado, ja tava sem camisa dava pra mim ficar olhando o peitorial dele e confesso que ja tava quase gozando so de ver. Entao eu peguei fui pro banheirode um dos quartos la de tras e comecei a me masturbar. peguei um desodorante meio pequeno e comecei a enfiar no cuzinho e batendo punheta pro tiozao, gozei bem gostoso. na minha mente nunca que o meu tio ia me comer... quando eu sai do banheiro pra minha surpresa o meu tio ja tava so de sunga dançando no patio. Eu olhei e fiquei doido. Olhei para a cueca dele e vi um volume consideravel e vi que o pau dele era grandinho so nao fazia ideia o quanto, ate mesmo porque nunca tnha tido uma experiencia com homem. Numa certa hora passei pelo meu tio no corredor ao lado da casa, por coincidencia pasamos na mesma hora ele veio de la e eu encarando ele, quando ele passou por mim deu um tapa na minha bunda, eu fiquei meio espantado nao sabia o que pensar e meio que institivamente nao me segurei e passei a mao por cima da sunga dele e toquei no pauzao. Caralho que sensaçao boa .... ele so me olhou e foi embora. Quando nao demorou muito eu vi ele indo dormir em um dos quartos la de tras e pensei so comigo: porque el taria indo pra la, um quarto que ninguem ia. Claro, fui atras. Quando entrei no quarto ele tava deitado sem sunga jogando na cama de barriga pra cima e vi o pauzao dele mole ainda mas ja era bem grande. Confesso que fiquei com medo mas o tesao era tao grande.... Cheguei perto dele e vi que ele tava com olho fechado. Fechei a porta na chave fui ate o meu tio na cama fiquei olhando o pauzao dele e pensei: eu tenho que pelo chupar esse pauzao. peguei ele nas maos e cai de boca, meio sem jeito , mas o pau era muito bom. Chupei a cabecinha chupei o pau todo e o pau ia crescendo cada vez mais ate ficar bem duro e quando eu me expantei o meu tio ja tava segurando a minha cabeça empurrando pra mim chupar o pau dele. vi que ele tava gostando e só comigo tambem tava adorando. Deixei bem melado e pensei, eu vou sentar ness pauzao, mesmo achando que nao vai entrar tudo porque tinha uma cabeça enorme. Fui sentando devagarinho e tava doendo muitoe nada de entrar, eu tambem nao tinha muito jeito. e o meu tio ja querendo enfiar mesmo sem tar dentro ai ele me botou pro lado e se levantou, entao eu pensei que tinha acabado ali ne... mas quando eu viu ele voltou do banheiro com um hidratante na mao e falou fica de quatro pra mim, com uma voz seria e grossa. mesmo nao sendo nada carinhoso eu gostei. fiquei de quatro empinei a minha bundinha e ele começou a meter o dedo com o hidratante , só isso ja tava me deixando doido, ja tava ate rebolando e gemendo , e ele ia dizendo vai seu viadinho tu gosta de dar o cu ne entao vem cá. entao comecei a sentir ele forçar o pau dele no meu cu, mesmo doendo mas tava bom, tava gostoso, meu pau tava durao. quando numa entocada o cabeça do pau do meu tio entrou, e junto foi entrando o resto todo bem devagar. mesmo eu dizendo pra parar que tava duendo ele ia enfiando e mandando eu calar a boca, o pau dele devia ter uns 20cm e grosso. eu ja tava delirando, ja estava me sentido la lua quando ele enficou tudo que chega eu senti as bolas enconstando em mi, e eu pensei meu deus ta tudo isso dentro de mim e como ta bom. eu pedi pra ele: soca o meu cu tio vai, eu quero sentir ele bem gostoso. ele subiu em cima de mime começou , confesso que tava tao bom que eu fui perdendo as forças que nao aguentava nem o meu corpo mais e fui deintando na cama ate fica de bruços pra ele, e haja ele socar o pauzao dele tdo em mim, tava uma dor grande mas tava bom junto tambem, ate que ele deitou por tras de mim e eu senti o corpo dele, o peitoral me envolvendo. ele me segurou com aqueles braços fortes e começou num vai em vem bem rapido, chega tava me arrombando todo. nessa altura eu ja tava com os olhos fechados e gemendo muito, quando eu vi o meu pau latejando muito começou a gozar sozinho com o meu tio socando forte no meu cu. caralho que sensaçao gostosa. um macho gostoso me comendo e o meu pau gozando sozinho e ele dizendo: vai viadinho goza vai, nao era isso que tu queria. ele socou forte e rapido mais ums 3 minutos direto, tres minutos esses que parecem uma eternidade... quando ele tirou o pau do meu cu que eu olhei pra tras ele ajoelhou com as coxas em cima de mim e mandou eu chupar o pau dele que ele ia gozar, eu sempre sonhei com aquele leite, ele em cima de mim. comecei a punhetar o pau dele com ele na boca e com a outra mao fica passando no corpo dele todo e eu mesm ja tendo gzado ainda tava com muito tesao. quando ele começou a gemer segurou a minha cabeça contra o pau dele eu pensei: lá vem o meu leitnho que eu tanto esperei. entao ele começou a gozar jatos e jatos dentro da minha boca, ele gozava e gemia alto e eu puenhetando o pau dele. nunca tinha sentido um gosta de gala mas confesso que gostei bastante. e era muito leite muito mesmo chega escorria pelo canto da boca. entao ele me mandou, bora seu viadinho pode tomar tudo. eu, prontamente limpei o pau dele tdinho com a lingua e engoli tudo. o meu cu tava ardido e quando fui tomar banho doeu muito mas valeu a pena. no outro dia eu nao conseguia nem sentar sem que o meu cuzinho latejasse, mas a partir daquele dia eu tinha me tornado um tarado por pica. nunca mais rolou nada com o meu tio, ate ficou um clima estranho entre nois dois, o que lamento porque queria estar tomando leite daquela pica ate hoje.hoje em dia eu continuo hetero mas tenho as minhas recaidas o que é normal, afinal todo homem deveria experimentar dar o cuzinho uma vez na vida. outras historias boas que aconteceram comigo eu conto outro dia

O vigia da estação de tratamento.

Há 2 anos atrás, mais precisamente no mês de agosto iria haver uma grande festa da minha família e com isso iriam vim familiares de outras cidades. A festa iria ser no sábado e na sexta feira já tava aquele corre corre.
Minha mãe como toda mulher, iria fazer o cabelo na sexta a tarde para poder recepcionar os parentes pela noite.
Por volta de 14 horas, falta luz no meu bairro e como eu iria ficar em casa enquanto ela estivesse no salão com minha tia, pedi que ela avisasse a cia de energia para consertar o transformador.
As 15 horas, eles chegaram e como eu não tinha nada pra fazer, fiquei olhando os caras gostosos do muro..
Quando eu olho para o outro lado da rua, reparo que tem um moreno, uns 32 anos, cabelo baixinho encostado no portão da estação. Nunca tinha reparado nos homens que tinham lá, bobeira minha né.
Quando reparei, fiz um movimento involuntário de levantar o calcanhar para olhar melhor para ele e reparei que ele tinha me visto e tinha começado a mexer no pau dele e isso já me alertou. Fiquei louco, virgem de tudo na época, doido para provar... Foi quando a luz voltou e minha mãe resolveu ir pro salão e como tava começando a chuviscar, pediu que eu a levasse. Tirei o carro da garagem e fiquei olhando o moreno pelo retrovisor, levei minha mãe e voltei pra casa voando. Entrei no quintal da casa e antes de abrir a porta, vi que ele tava la dentro da estação só me olhando. Fui até o muro de novo e ele foi até o portão, abriu e entrou até a casa da segurança e ficou me olhando. Entendi o recado e sai de casa, atravessei a rua e fiquei parado no portão, com medo ou receio né, sei lá. Ele repetiu o sinal e eu entrei, e fui seguindo ele até dentro da casa. Lá tinha uma sala com uma tv de 14 polegadas, uma mesa, uma pia. E tinha uma porta q tinha um armário, desses de escola com chave e um colchonete enrolado no chão, e do lado um banheiro sem box, com pia e vaso.
Ai apertei a mão dele, e ele apertou a pica por cima da calça... Ai eu olhei e apertei a pica dele q tava meia bomba. Ai ele pediu pra esperar pq eu já tava ajoelhando. Foi lá fora de novo, e entrou e fechou a porta. Aí foi só alegria, mamei ele, meio inexperiente mas mamei. A pica dele era morena com a cabeça roxa, devia ter uns 15 cm. AI depois de uns 15 min mamando, ele perguntou: já deu? e eu respondi que não, que era virgem. Ai quis saber se eu queria dar, já q eu tava ali né, disse q sim ,mas q precisava tomar um banho, porque nao tava preparado. Ele concordou e eu fui em casa correndo, tomei um banho e voltei pra lá todo cheiroso. Na mesma salinha, abaixei a calça, ele colocou a camisinha, pegou um sabonete e ensaboou a pica. E começou a forçar a entrada do meu cuzinho. Foi difícil entrar, sou apertado, mas quando entrou, ele esperou um pouco porque tava doendo, depois foi so metendo.. e como metia bem, me levou nas nuvens. Aí meu cel tocou, e era minha mãe dizendo q esqueceu a carteira em casa e era pra eu levar e buscar minha tia na rodoviária. Fiquei puto, mas tive q ir né. Despedi e disse q ele era muito gostoso.
Tiveram outros casos com ele, como o dia q eu dei antes de ir pro curso de inglês, as 7 e meia da manhã. Ou as vezes q ele me comia aqui em casa. Outra oportunidade eu conto.....

Foda no Mato

video

Ursos Gostosos









terça-feira, 13 de maio de 2014

Deus Grego

Certo dia, eu estava passeando pela orla marítima de Salvador quando avistei aquele gato ( olhos azuis, pele bronzeada, cabelos curtos negros, lábios carnudos vermelhos e muito másculo). Ele estava fazendo cooper de camisa regata azul exibindo seu tórax musculoso e de seu short branco apertado delineando suas pernas grossas com pêlos finos. Era realmente um deus grego. Logo pensei que ele não ia me dar bola mas resolvi investir. Afinal, não fico atrás. Sou branco, alto, cabelos e olhos castanhos, quase pretos, e corpo com tudo em forma. Quando olhei para aquela imensidão azul, dei uma piscadinha. Esperei por um fora, mas para minha felicidade, ele riu virando o rosto de lado como se estivesse me convidando a correr junto com ele. Prontamente estava ao seu lado, não pensei duas vezes. Chamei-o a um barzinho para podermos conversar melhor e tomar um drink. Ele estava totalmente suado e o suor escorria pela sua face deixando-me totalmente excitado. Olhei para os lados e percebi que ninguém nos observava, então alisei as coxas daquele atleta. Vi um sorriso sacana em seus lábios. Como morava ali perto, convidei-o para minha casa. Chegando em casa, ao fechar a porta nos beijamos loucamente. Aquilo não parecia que estava acontecendo. Entramos no quarto aos tropeços. Eu estava puto de tesão, louco para tirar nossas roupas. Primeiro tirei sua camiseta com a boca aproveitando para lamber seu peito musculoso e seu caminho de pêlos que davam voltas pelo seu mamilo. O short era o próximo passo, seu pênis fazia um volume enorme e isso me dava bastante prazer. Tirei delirando e vi que ele estava usando um sungão azul. Dei um beijo demorado em sua boca ao mesmo tempo em que alisava seu membro por cima do sungão. Ele estava totalmente entregue ao prazer. Tirei sua sunga com os dentes e pude ouvir seus suspiros. Pedi para se afastar um pouco para poder admirá-lo. Ele era simplesmente perfeito. Suas pernas grossas combinavam perfeitamente com seu peito musculoso. Seus ombros largos desciam estreitos para a cintura. Sua bunda era grande, dura, empinada e com a marca da sunga. Linda! Ao olhar para seu rosto podia ver suas suplicas para que eu continuasse com o trato. Sua boca era contornado por um cavanhaque delineado e fino. Tudo isto num corpo de um rapaz de 23 anos mas com aparência de um garoto de 19. Vendo-me ali parado a admirá-lo, caminhou em minha direção e me deu um beijo fazendo-me sentir seu pênis com cerca de 20cm já ereto. Bruno (isto mesmo, o nome dele era Bruno) agarrou-me e foi totalmente avesso ao que fiz. Arrancou a minha roupa com toda força para acabar com o seu sofrimento. Ele agarrou-me e pôs na cama. Era a vez dele me dominar. Foi de boca em meu peito e descendo foi de encontro ao meu pênis. Ele chupava ávido, engolindo meu pau. Puxei-o para mim e dei um beijo de agradecimento. Para retribuir fui fazendo minha trajetória: pescoço, ombros, peito (a parte mais sensual e atraente para mim) até ir de encontro a sua rola, que já estava vermelha de tão dura, e posteriormente ao seu cuzinho. Ali sim, vi Bruno gemendo de prazer ao fazer um cunete, ele estava punhetando freneticamente. Pedi para ele parar para não gozar. Continuei com minha exploração, aproveitando para apalpar o seu corpo. Voltei a chupar sua rola. Ele me virou para podermos fazer um 69, quase arrancamos nossos genitais de tanto desejo. Virei-o de bruços e pedi para ficasse de quatro para poder penetrá-lo. Queria tê-lo já! Dei uma bela cuspida em seu ânus para dar uma certa lubrificação. Tentei colocar a chapeleta do meu pau. Como era apertado! Fui fazendo uma um vai-e-vem devagar para que seu cuzinho adaptasse ao meu pau até pegar um ritmo bem louco. Bruno gemia tanto, uma mistura de dor com prazer, então tentava abafar seus gemidos com meus beijos. Dei uma paradinha , virei-o de frente colocando suas pernas sobre meu ombro. Continuei com a penetração e nessa posição a penetração é bem profunda, chegando até o saco. Bruno gemia alto ao mesmo tempo em que punhetava-se. Acalmava-o dando beijos em sua boca e em seus mamilos, além de sentir seu pênis duro pulsando sobre meu ventre. Retirei minha rola daquele cu apertado e deitei-me no chão. Bruno sentindo minha intenção sentou sobre meu caralho. Pude observá-lo melhor cavalgando sobre mim. Estava prestes a gozar, quando ele masturbando-se gozou intensamente sobre o meu peito e eu vendo aquilo gozei loucamente. Demorei para retirar meu pau de sua bunda pois estava aproveitando para dar-lhe um beijo em retribuição a tudo. Retirei meu pênis de dentro dele e nos abraçamos para dormimos um pouco, eu sobre o peito dele. Quando acordamos estávamos pronto para mais. Quis satisfazer uma fantasia, pedi para ele vestir seu sungão e fui vestir o meu. Daí fomos para o banheiro. Abri o chuveiro e puxei-o para mim. Estávamos sob o chuveiro, agarrando um ao outro, sentindo os nossos corpos em contato, peito com peito, pênis com pênis. Naquele roça-roça louco, virei-me de costas e pedi para roçar em minha bunda. Estava delirando de prazer sentindo a pressão do seu membro em minha bunda. Não agüentando mais me ajoelhei e arranquei seu sungão com a boca e pude ver suspirar ao chupá-lo de cima a baixo. Fui subindo para lamber seu peito com muito prazer. Até que encontramos nossas bocas. Ele me deu um grande presente fez o mesmo comigo. Ao arrancar minha sunga, ele chupou avidamente minha rola pra depois passar ao meu cuzinho, aliás ele estava fudendo meu cu com a sua língua. Não agüentando mais pedi para me penetrar, apesar de ser mais ativo estava morrendo de desejo de ser penetrado por aquele gato. Eu vi um brilho especial em seus olhos. A partir daí partiu para a ação. No início doeu pois o pênis de Bruno é grande e cabeçudo, mas foi relaxando a medida em que as estocadas iam aumentando até que a penetração ficou fácil. Gemi muito mas no fim senti um imenso prazer, em quatro paredes vale tudo. Senti que ele gozou dentro de mim. Querendo me satisfazer mais ainda, ele me chupou até gozar engolindo todo meu gozo para meu delírio. Abraçamos e tomamos um banho como nenhum outro. Um ensaboando o outro. Prometemos um bis para outro dia. Se você gostou dessa história, mande-me uma mensagem. Quem sabe não você não é o protagonista da outra história.?!!!     

Gatos da Net